O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva afirmou, em entrevista ao jornal francês Paris Match nesta quinta-feira (20), que disputará as eleições presidenciais em 2022Lula se tornou elegível após o Supremo Tribunal Federal (STF) anular os processos contra ele e entender que o juiz Sério Moro foi parcial nas condenações contra o petista no processo do tríplex do Guarujá, em São Paulo.

“Serei candidato contra o Bolsonaro. Se estou na melhor posição para ganhar as eleições presidenciais e gozo de boa saúde, sim, não hesitarei”, disso Lula à imprensa internacional.

Na entrevista, Lula afirmou que foi “um bom presidente” e destacou a sua relação com outros país. “Criei laços fortes com a Europa, América do Sul, África, Estados Unidos, China, Rússia. No meu mandato, o Brasil tornou-se um importante ator no cenário mundial, notadamente criando pontes entre a América do Sul, Áfricaica e os países árabes, com o objetivo de estabelecer e fortalecer uma relação Sul-Sul”, argumentou Lula.

O ex-presidente admite que sabe que o seu principal adversário político é o atual chefe da nação, Jair Bolsonaro.  “O que eles não sabiam é que estou pronto para lutar até o último suspiro para provar que se uniram para me impedir de ir às eleições”, o petista.

Articulação

Lula passou 580 dias presos na Polícia Federal (PF), em Curitiba, no Paraná. Após ganhar liberdade, ele começou a articular alianças para o ano que vem. A aproximação do petista ao cenário federal já causa preocupação em Bolsonaro.

Pesquisa realizada pelo Datafolha e divulgada no último dia 12 de maio traz o petista à frente da disputa presidencial. De acordo com o levantamento, Lula aparece com 41% das intenções de votos ante 23% de Bolsonaro.

FONTE: Mais Goiás