Waldemar Ruy dos Santos, conhecido como Asa Branca, foi um locutor profissional de rodeios e cantor brasileiro.[1] Considerado um dos mais notórios locutores de rodeios do país, faleceu em 4 de fevereiro de 2020 em decorrência de um câncer na garganta

“É com muito pesar que informo a todos o falecimento do nosso querido Waldemar Ruy Asa Branca dos Santos. Em breve, mais informações”, informa a nota publicada no perfil oficial do Instagram do locutor, administrado por amigos e familiares.

Ele foi internado em 14 de dezembro de 2019 para tratamento de um câncer na boca, sendo liberado uma semana depois, dia 21. Após uma piora na saúde, ele voltou ao hospital em 27 de dezembro.

No último domingo, 2, sua esposa afirmou que o locutor estava em “estado bem crítico” e pediu orações.

Carreira

Asa Branca começou a carreira nas arenas montando em touros bravos. A carreira de peão de boiadeiro foi interrompida após um acidente, quando o chifre de um boi chegou a perfurar seu pulmão, a partir disso se tornou locutor profissional. Uma das suas principais características nesta profissão foi a sua habilidade com o microfone e a capacidade de inovar sempre, como levar o microfone para dentro das arenas, trazendo assim mais emoção ao público dos rodeios. Inovou, também, nas aberturas de rodeios com atrações e apresentações especiais como a presença do cavalo e do helicóptero.

Investiu muito no profissionalismo desse esporte, envolvendo-se com política para garantir os direitos dos atletas. Em Barretos, apresentou o então candidato à presidência do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, à uma plateia que aguardava sua apresentação na festa. Neste dia o rodeio ganhou mais força política e se tornou um dos esportes mais praticados em nosso país.

Asa Branca também fez sucesso na TV, onde apresentou o Som Brasil e o especial Amigos, na Rede Globo, e teve participações em novelas como Mulheres de Areia e Rei do Gado, também da Rede Globo. Marcou presença em diversos programas de TV e rádio, como Domingo Legal (SBT), Domingão do Faustão (Globo), Hebe (SBT), Domingo Show (Record), Silvia Poppovic (Band), dentre outros.

Em 2013, foi hospitalizado por 83 dias devido a uma neurocriptococose, popularmente chamada “doença do pombo”, que atinge o sistema nervoso. Chegou a ser submetido a seis cirurgias no cérebro, mas venceu a doença e retornou aos rodeios em 2014. Por causa da neurocriptococose, Asa Branca adquiriu a meningite bacteriana e hidrocefalia. Para controlar as doenças, necessita tomar remédios todos os dias e ir frequentemente ao médico para realização de exames.[10][11]

Enfrentou, desde 2017, um câncer na garganta, passando por várias sessões de radioterapia. A doença progrediu atingindo estado terminal. O documentário A Última Lenda dos Rodeios, uma produção da Veja e Kurundu Filmes, lançado em 26 de agosto de 2018, no encerramento da Festa do Peão de Barretos, retrata a vida do locutor. A produtora Sentimental Filmes, em parceria com a Querosene Filmes e a Universal Pictures, lançou, em 2018, o filme Asa Branca – A Voz da Arena. Sob a direção de Guga Sander, o longa conta a história de Asa Branca.

Morte

Além de ser portador do HIV desde 2007, Asa Branca foi diagnosticado, em 2017, com câncer na garganta. Numa entrevista concedida à Veja, afirmou que seus problemas de saúde “eram resultado da prática e do incentivo à violência contra bois e cavalos”. O locutor foi internado em 2 de fevereiro de 2019 em estado crítico, segundo uma nota divulgada pela família. No entanto, em 4 de fevereiro de 2020, o quadro se agravou e o locutor veio a falecer no Instituto do Câncer, em São Paulo.