SGT Eliene e SGT Paulo que atenderam a ocorrência

Na tarde do último sábado (21) por volta das 18:00hs, a Polícia Militar (PM) de Quirinópolis recebeu uma chamada via 190 do Bairro Chico Junqueira, onde a vítima, uma mulher de 27 anos de idade pedia socorro, pois segundo ela estava sendo constantemente agredida por seu esposo de 37 anos.

Ao chegarem ao endereço, os policiais SGT Eliene e SGT Paulo constataram que a vítima estava em cárcere privado, o agressor tinha saído para o serviço e deixado o portão da casa trancado e levado à chave, para sair, a mulher teve que passar por um buraco no muro da residência. Em conversa com a vítima, ela relatou aos PMs que a 9 meses morava com o agressor e a 8 meses vinha sendo agredida constantemente, ela pediu ajuda, pois além de não aguentar mais as agressões e temer pela sua vida, queria voltar para sua cidade de origem onde reside seus familiares no Estado da Bahia, porém não tinha nenhuma condição financeira para viajar, a vítima também relatou que temia ficar na casa até ele voltar, pois ele poderia mata-la ao saber que foi denunciado, mas não tinha onde se abrigar por uma noite.

Vítima com olho roxo pelas agressões sofridas

Diante da situação, os militares não viram alternativa a não ser ajudar a mulher que estava cheia de hematomas de tantas agressões sofridas ao longo de 8 meses, eles fizeram contato com a Assistência Social da cidade e a passagem foi disponibilizada. Para abrigar a vítima, a dona de um hotel cedeu um quarto para ela dormir em segurança, outra pessoa da comunidade ajudou com dinheiro para ela recomeçar a vida novamente.

Na madrugada seguinte, a mulher foi embarcada em um ônibus e voltou para sua família onde está em segurança.

Ela voltou a fazer contato com a SGT Eliene agradecendo o apoio recebido.

Veja abaixo o teto enviado com os nomes suprimidos para não identificar os envolvidos.

            “Oi eu sou a (nome da vítima) estou aqui para agradecer, primeiramente a Deus por estar sempre comigo, me protegendo, agradecer a equipe da polícia militar de Quirinópolis Goiás que me ajudou muito a trazer a minha vida de volta. Agradecer também aí quem me deu força a minha tia, (nome da tia), sempre esteve comigo, do meu lado, eu sofri muito, fui espancada ,ameaçada de morte muitas vezes, graças a polícia militar de Quirinópolis eu vou poder recomeçar tudo uma outra vez.

Hoje eu também sei o valor que nós mulheres temos que nos dar, eu só tenho a agradecer a todos vocês eu agradeço muito, de coração obrigada.

     Mulher nenhuma nasceu pra ser espancada por homem nenhum não, eu nunca sofri tanto como sofri esses últimos oitos meses do lado do companheiro que eu tinha, (nome do agressor), esse homem é a pior espécie que já conheci.

 Polícia Militar de Quirinópolis GO, obrigada, obrigada, obrigada , mesmo por tudo e também por todas as outras mulheres que vocês já ajudaram eu agradeço, obrigada”.

Perna da vítima com vários hematomas

Vítima e agressor se conheceram pelas redes sociais, ela se mudou para o Estado de Minas Gerais na companhia do homem, a aproximadamente 6 seis meses se mudaram para Quirinópolis para que ele pudesse trabalhar em uma usina da cidade. O indivíduo já tem passagens na polícia de MG pelos mesmos crimes cometidos contra sua ex mulher.

A SGT Eliene faz o acompanhamento as mulheres vítima de violência doméstica em Quirinópolis e faz um apelo as mulheres, “não fiquem caladas, denunciem casos de agressão, podem contar com a Polícia Militar do Estado de Goiás a qualquer hora, liguem 190 que iremos te ajudar”.

 

CASA DA MUÇARELA, AV. BRASIL, CENTRO DE QUIRINÓPOLIS. O MENOR PREÇO EM MUÇARELAS E FRIOS.